quarta-feira, 14 de junho de 2017

RECORDAR A GUERRA (DOIS EPISÓDIOS)..., por José Capitão Pardal e Fernando Bernardes

RECORDAR A GUERRA (DOIS EPISÓDIOS)

Jose Capitao Pardal, 14 de Outubro de 2014 16:49
...
E eu agora conto outra história.


A de um militar que também foi evacuado para Nampula, quase a "bater a bota", que no hospital não se podia "desenfiar" porque não se podia pôr de pé (pelo menos nos 2 primeiros meses) e no dia em que tentou ir à casa de banho, mesmo segurado por dois ajudantes, foi-se abaixo das "canetas" e caiu no chão desamparado. 

Esse militar passados pouco mais 3 meses, "alguém" achou que já lá estava há muito tempo hospitalizado (sem estar totalmente recuperado), insistiu junto do Comando de Setor, para a sua devolução ao "resort" do Chai ou na sua substituição. 


O Comando de Setor através de Telex "pressionaram" o dito Hospital de Nampula para que lhe dessem rapidamente baixa.

Esta informação foi fornecida pelo tenente médico que assinou a "devolução". 

O dito militar ainda esteve 3 semanas na Ilha, mas com o braço ao peito. 

Assim que regressou a Nampula, sem qualquer inspeção ou fisioterapia (para a recuperação do membro superior esquerdo), com um buraco nas costas e um rim afetado foi despachado em grande velocidade para o dito "resort". 

Esse militar mesmo que quisesse ou tivesse o engenho do nosso amigo, não teria conseguido desenfiar-se...



Fernando Bernardes, 14 de Outubro de 2014 18:14

Pois a minha historia, que já relatei aqui é muito idêntica à do Pardal, mas com final, felizmente para mim, mais justo e mais humano.

Não sei como cheguei ao Hospital Militar de Nampula.
Despertei uma semana depois do acidente com uma mina anti carro, próximo do Cruzamento da Viúva.

Fui imediatamente transferido da UTI para a neuro cirurgia.

Era um pavilhão geminado com o da ortopedia.

Quando me vi deitado numa cama e na enfermaria quase sózinho, ao tentar levantar-me, dei conta que tudo me doía e que só conseguia mexer os braços pelos cotovelos.

Arrastei o corpo para fora da cama e quando tentei ficar de pé, caí redondo no chão.

Não adiantou chamar, berrar por auxílio, pois ninguém apareceu.

Mas como eu não era de desistir, tanto tentei que consegui ficar de pé.

Ao querer mover os pés voltei a cair, agora para cima da cama em frente.

Voltei de novo a por-me de pé e arrastando os pés, pois outra coisa não consegui fazer, lá fui até à casa de banho.
Lá me desenrasquei como pude, mal e porcamente.

No dia seguinte o médico ao fazer a visita aos doentes, como eu não estava na minha cama, deu-me alta.

Estava na enfermaria de ortopedia, pois estava lá alguém conhecido que não podia sair da cama.

Aí tive sorte, pois o maqueiro que era da minha terra, veio alertar-me para o sucedido.
Falando com o médico ele diz-me que não podia voltar atrás, mas mandou-me para a ilha de Moçambique.


E ainda bem, pois foi lá que vim a descobrir os meus verdadeiros problemas.


Quando regressei fui ao Hospital de Nampula, não saí de lá sem ser visto pelo médico.

Eu tirava chapas de RX, mas elas não apareciam, até que um dia não saí de lá sem as trazer na minha mão.

Quando o médico viu o RX, mandou marcar consulta para ortopedia.
E o médico de ortopedia disse logo... a tua guerra acabou.

Propôs a minha evacuação para o HMLisboa.